Vigilância em Saúde Ambiental alerta para o perigo da dengue em Casimiro 

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin
Share on print

Em tempos de pandemia toda prevenção contra a dengue também se faz necessário. O alerta vem do coordenador Municipal de Vigilância em Saúde Ambiental Mauri Teixeira. 

 Embora o índice médio de infestação do Aedes aegypt – mosquito transmissor- esteja baixo, quando se analisa bairro a bairro a preocupação surge.  

Isso se reflete no último Levantamento do Índice Rápido por Aedes Aegypti (LIRA).  

 “Casimiro tem índice médio de 0,9, que é o risco baixo. Mas quando analisamos o bairro Mataruna,  (na Sede), por exemplo, o índice sobe para 3,8. Altíssimo”, observou o coordenador.   

Mauri alerta que um surto de dengue em meio à pandemia de coronavírus pode ser um coquetel explosivo, já que haveria superlotação no sistema de saúde. Além disso, o risco de mortalidade por Covid aumentaria devido à debilidade do organismo infectado também pelo vírus do mosquito.  

 

Perigo está dentro de casa 

 

De acordo com o LIRA, quase a metade dos focos encontrados pelos agentes de endemia (46%) está dentro de casa, em vasos de plantas. Um velho hábito perigoso é não eliminar a água parada, onde o mosquito procria. Por outro lado, de nada adianta fazer isso, se não for colocado areia, e não água, de volta no recipiente. 

 Isso porque a fêmea do mosquito põe seus ovos na parede de um criadouro com água (os ovos não ficam na água, mas bem próximos a elas). Portanto, jogar apenas a água fora, não resolve o problema. 

Cultura – “Precisamos muito do apoio do morador. É o principal agente de combate ao mosquito. Sem ele, o trabalho não pode ser bem feito”, reforça Mauri. O coordenador lembra que, atualmente, o agente de endemias deixou de ser um mero colocador de venenos em ralos para ser um orientador. “Mas é o morador quem deve monitorar o seu quintal”, arremata.  

Ele ressalta que muitas pessoas têm o hábito de esperar sempre o Poder Público para agir. Por isso é importante que cada morador reserve pelo menos dez minutos do dia para eliminar toda água parada que encontrar em sua residência. 

Do contrário, de nada adianta a visita do agente de endemia. “Infelizmente, tem-se uma cultura antiga de esperar sempre o poder público para agir. O agente não tem como visitar a casa do morador toda a semana. Nesse período, o ciclo de criação do Aedes já foi completado”, finalizou. 

Pesquisar

Categorias

Notícias por Mês

Escolha o mês

Publicidade

No data was found