Tá na hora de falar do Lúpus

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin
Share on print

Tá na hora de falar do Lúpus

Fevereiro Roxo é o mês de conscientização do Lúpus e da Fibromialgia. Como uma forma de oferecer uma rede de apoio às mulheres que convivem com a doença, a Secretaria de Saúde por meio do NASF (Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica) e o Departamento de Vigilância em Saúde realizou na manhã desta quarta-feira, dia 23, uma roda de conversa com mulheres – Grupo de apoio ao Lúpus, o encontro foi realizado no auditório da Paróquia Nossa Senhora da Saúde, em Casimiro de Abreu.

O que é Lúpus?

Também conhecido como lúpus eritematoso, é uma doença autoimune que faz com que as células de defesa ataquem as células saudáveis do corpo, o que pode provocar inflamação em várias partes do corpo, especialmente articulações, pele, olhos, rins, cérebro, coração e pulmões. seu tratamento é necessário porque, uma vez que a doença sai de controle, é capaz de levar o paciente a óbito.

A doença lúpus não é contagiosa e por isso não pode ser transmitida de um indivíduo a outro. Ela é o resultado de uma série de processos internos no organismo de uma pessoa, que não podem ser passados para terceiros.

O lúpus é mais comum em mulheres do que homens, mas pode afetar pacientes de ambos os sexos. Existem diferentes tipos de lúpus, sendo que o lúpus sistêmico é mais recorrente.

Jorge Luis Da Silva Ramos, Coordenador da Proteção Social Especial de Média Complexidade e assistente social do município de Macaé, palestrou sobre as dificuldades encontradas por quem enfrenta a doença e também as ações que podem auxiliar no processo de tratamento, tais como criação de grupos de apoio, projetos de lei…

A vereadora Maria de Fátima Canejo participou da encontro e ofereceu total apoio às mulheres “Estou junto na luta de vocês. A partir de hoje vocês têm uma parceira na Câmara dos Vereadores. Vamos unir nossas forças.” disse Fátima.

Apesar de toda a dor, principalmente física, enfrentada por quem lida com a doença, a manutenção da autoestima é uma das várias ferramentas utilizadas para manter a saúde mental necessária para passar pelos momentos mais delicados da doença. Autoestima foi o tema da palestra da psicóloga Isabella Fernandes. O momento ajudou as mulheres presentes a se abrirem sobre o assunto e a entenderem que os momentos bons e também os ruins fazem parte da vida, mas que é sempre importante manter o amor próprio.

Ana Débora Fraga foi diagnosticada com Lúpus, Fibromialgia e SAF (Síndrome Antifosfolípide) há 14 anos participou do encontro e deu seu depoimento

“Há quanto tempo estamos lutando sozinhas no escuro. Ter essa oportunidade de partilhar e saber que podemos contar com profissionais e outras pessoas que convivem com a doença é muito gratificante. O sofrimento de quem tem doenças autoimunes é silencioso. Muitas pessoas que sabem da nossa situação acabam se acostumando com isso. E esse costume por parte das outras pessoas acaba virando uma forma de preconceito e discriminação.” disse Débora.

 

Pesquisar

Categorias

Notícias por Mês

Escolha o mês

Publicidade

No data was found