Publicado Decreto que estabelece regras do Processo Administrativo na Prefeitura de Casimiro de Abreu

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin
Share on print

O prefeito Ramon Gidalte assinou o Decreto de nº 2718/2022 que dispõe sobre as normas de processo administrativo no âmbito do município de Casimiro de Abreu. O Decreto visa a normatização dos procedimentos, diminuindo a margem de discricionariedade. O estabelecimento de regras é importante para a segurança jurídica e garantia da transparência.

De acordo com o Decreto, toda pessoa física ou jurídica pode protocolar qualquer tipo de processo administrativo de forma eletrônica. Os protocolos serão gerados pelo requerente de forma eletrônica após a efetuação de login online no link (https://casimirodeabreu.1doc.com.br), ou de forma presencial exclusivamente nas unidades de protocolização (sede da Prefeitura ou no Centro Administrativo Célio Sarzedas), mediante exposição de motivos e juntada de documentos que o fundamentam e que identifiquem o requerente.

O interessado poderá requerer pessoalmente ou por meio de representante, devidamente habilitado. O requerimento inicial do usuário, deve ser formulado por escrito e conter os seguintes elementos: identificação do interessado e de quem o represente, com a devida documentação (RG, CPF e/ou procuração, quando for o caso); comprovante de domicílio do requerente; e-mail e telefone cadastrados para recebimento de comunicações; formulação do pedido, com exposição dos fatos e de seus fundamentos.

Os documentos devem ser juntados em formato PDF. O usuário poderá visualizar as movimentações dos protocolos gerados através de consulta ao número externo, acesso através de login e notificação pelos meios em que se cadastrar.   

“Era antiga a necessidade de normatizar o Processo Administrativo no âmbito do Município de Casimiro de Abreu. A demanda cresceu após a implementação do processo eletrônico em janeiro de 2022, que trouxe muitas novidades. A finalidade é aumentar a transparência, a eficiência e a celeridade, bem como facilitar o trâmite dos usuários externos no ato de dar entrada em protocolos. Com a regulamentação passamos a ter regras claras de como devem ser instruídos e conduzidos os procedimentos”, disse Eloá Crispim, Corregedora Geral.

Alguns dos prazos estabelecidos são: de dois úteis, para despachos de simples encaminhamento; de oito dias úteis, para o lançamento das informações; de até 15 dias úteis, para emissão de pareceres técnicos; de até 20 dias úteis, para a prolação de decisões e de 30 dias úteis para pedido de reconsideração sobre decisão ou interposição de recurso, salvo se norma especial estabelecer norma em contrário. Os prazos também poderão ser prorrogados em algumas hipóteses justificadas.

Pesquisar

Categorias

Notícias por Mês

Escolha o mês

Publicidade

No data was found