Projeto Guaiamum busca fortalecer o Plano de Gestão Local para pesca da espécie na APA do rio São João

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin
Share on print

O Centro Administrativo Célio Sarzedas, em Barra de São João, recebeu na manhã de segunda-feira (21), a equipe do Projeto Guaiamum – Bioecologia e Etnoconhecimento para a Conservação, que apresentou os resultados das pesquisas realizadas ao longo do último ano sobre a pesca artesanal do guaiamum na Área de Proteção Ambiental da Bacia do Rio São João/Mico-Leao-Dourado.

Em 2014, a captura e comercialização do Guaiamum foi proibida em todo o país, quando os pescadores da APA do Rio São João ficaram impossibilitados de retirar o crustáceo para sua subsistência. No entanto, em 2018, a captura da espécie passou a ser permitida dentro de Unidades de Conservação, desde que esta unidade possua um Plano de Gestão Local. Desde então, entidades, como ICMBio, FIPERJ, Observatório, poder público, sociedade civil organizada e Pescadores passaram a se mobilizar para a constituição deste plano.

O Projeto Guaiamum veio para fortalecer o Plano de Gestão Local do guaiamum na APA da bacia do rio São João/Mico Leão Dourado, favorecendo a proteção e o manejo da espécie, atuando no monitoramento ambiental e promovendo o diálogo entre os conhecimentos tradicional e acadêmico, propondo possíveis adequações de forma a tornar legalizada e sustentável a atividade dos catadores que já atuam na área.

O Projeto é uma medida compensatória estabelecida pelo termo de ajustamento de conduta da empresa Petrorio, conduzido pelo Ministério Público Federal (MPF).

Pesquisar

Categorias

Notícias por Mês

Escolha o mês

Publicidade

No data was found