Programa estadual vai fomentar artesanato de Casimiro de Abreu

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin
Share on print

Os artesãos de Casimiro de Abreu agora contam com um importante incentivo na retomada das suas atividades. Foi lançado na última sexta-feira (19), o Programa de Fortalecimento do Artesanato Fluminense, iniciativa do governo do estado, em parceria com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), que irá garantir um investimento de R$15 milhões ao segmento. Além de Casimiro de Abreu, outros 45 municípios do território fluminense serão contemplados.

Projetado nos princípios da economia criativa, o programa visa fomentar o mercado local a partir da capacitação dos artesãos em áreas como empreendedorismo e marketing. O projeto segue o plano estadual de cultura e a retomada das atividades econômicas e turísticas. “Nosso objetivo é fomentar a economia e o arranjo produtivo local. Com este investimento, queremos consolidar as feiras de artesanato como referências municipais, fortalecendo as práticas socioculturais de relevância em cada território”, ressaltou a secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros.

O coordenador do projeto, Gustavo Siqueira, explica que a pesquisa e o mapeamento serão feitos de acordo com a necessidade de cada município, com a finalidade de apresentar uma opção cultural de lazer e entretenimento de forma gratuita, principalmente devido ao momento econômico. “O setor de artesanato foi um dos mais prejudicados durante a pandemia da Covid-19. Esperamos contribuir com este segmento que foi amplamente afetado neste período pandêmico”, completa.

O evento de lançamento do programa aconteceu no Teatro Odylo Costa Filho, no campus Maracanã da Uerj. A cerimônia contou com a participação da secretária municipal de Assistência Social, Karen Louzada, a presidente da Fundação Cultural, Luciana Garcia, e a coordenadora do Armazém das Artes, Mércia Dias. “Nossos artesãos merecem todo incentivo. É um segmento cultural que enfrenta muitas dificuldades, principalmente agora com a pandemia. Nosso município possui um artesanato muito criativo e diverso. Vamos trabalhar para aproveitar ao máximo esta oportunidade”, disse Karen Louzada.

O programa é dividido em quatro eixos, que serão executados pela UERJ: formação e capacitação do artesão; estruturação de pontos de comercialização; ativação cultural dos pontos de comercialização; e pesquisa. A Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa ficará responsável pela viabilização dos recursos financeiros. O período de execução será de novembro deste ano até 31 de dezembro de 2022.

Pesquisar

Categorias

Notícias por Mês

Escolha o mês

Publicidade

No data was found