Prefeitura dá mais um passo para a retomada da piscicultura em Casimiro de Abreu

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on telegram
Share on twitter
Share on email
Share on linkedin
Share on print

As Secretarias Municipais de Agricultura e Pesca e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, a Fundação Municipal Casimiro de Abreu, o Sindicato Rural, a Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (FIPERJ), Incra, ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) e a Fazenda Dona Branca estão juntas na retomada da piscicultura no município.

Representantes dos órgãos se reuniram nesta quinta-feira, no Sítio Agrícola, para reforçar as parcerias e trocar informações e experiências sobre a atividade no Estado do Rio.

De acordo com o secretário de Agricultura e Pesca, Douglas Veloso, o primeiro passo para a retomada da piscicultura em Casimiro de Abreu foi dado com a adequação ambiental do Sítio Agrícola, onde a Prefeitura mantém o laboratório e os tanques de produção e criação de alevinos. Agora, o trabalho está focado na regularização dos tanques do Assentamento Visconde, que possui um potencial de produção de aproximadamente 80 toneladas de peixe por ano.

A proposta é promover uma piscicultura sustentável no nosso município, solucionando a parte ambiental e fomentando a agricultura familiar.

“A piscicultura movimenta toda uma cadeia, culminando com o fornecimento de tilápias para a merenda escolar. Alimento de qualidade para os alunos, mais renda para o pequeno produtor do município, além de tornar Casimiro de Abreu novamente referência na piscicultura no Estado”, ressaltou o secretário.

Visitas técnicas no campo já começaram – Técnicos da Secretaria Municipal de Agricultura, Fiperj e Fazenda Dona Branca já deram início às visitas nas propriedades do Assentamento Visconde com lâminas d’água aptas a produção de peixes.

Durante as visitas, os técnicos fazem todas as marcações e avaliações necessárias à adequação de acordo com os órgãos licenciadores. “Um ponto importante é a recuperação da faixa marginal de proteção de rios e córregos, com o plantio de árvores como uma das compensações ambientais. Outro ponto é a avaliação pré existente das condições da água para estabelecer um sistema de tratamento de entrada e saída de efluentes da produção”, explicou o engenheiro de pesca da Fazenda Dona Branca, Iurych Barros.

A expectativa é que no primeiro trimestre deste ano, pelo menos seis produtores do Visconde já estejam aptos para o início da atividade.

Pesquisar

Categorias

Notícias por Mês

Escolha o mês

Publicidade

No data was found