Jovens têm tarde de história e cultura em Barra de São João

Os jovens dos programas Bolsa Estágio, Bolsa Auxílio e Construir de Barra de São João tiveram uma tarde de história e cultura na última quinta-feira, dia 29. Junto com a equipe da Secretaria de Comunicação Social (Secom), eles percorreram o Circuito Histórico Barra 400 anos e conheceram um pouco da história do distrito que neste ano completa quatro séculos de fundação.

Ao longo do circuito, a Secom instalou seis placas que remontam parte dessa história, começando pelo Museu casa de Casimiro de Abreu até a praça do Canhão. É nesse trecho que se concentram os casarios do período colonial e árvores centenárias que acompanharam parte dessa história.

A atividade faz parte do projeto “Caminhos da História”, com o objetivo de resgatar os 400 anos de história de Barra e repassar esse conhecimento para os moradores, principalmente para a nova geração, mantendo viva a memória e a cultura do distrito que já deu nome ao município e é o berço da nossa história.

Um pouco de história – A caminhada começou no século XVI, quando nosso território era habitado pelos índios Goitacás e o Rio São João já aparecia nos mapas de grandes navegadores europeus. Com um vasto território, constantes invasões de contrabandistas e a resistência dos índios, Portugal precisava garantir o domínio sobre a região. Até que em 1619, padres jesuítas e colonos de Campos Novos fundaram a Igreja de São João Batista. Nesse período, pelo Rio São João já saiam embarcações carregadas de pau-brasil e madeiras de lei retiradas das nossas florestas.

Embora houvesse um destacamento da Coroa Portuguesa por aqui, até o início do século XVIII, Barra de São João ainda tinha uma grande área desocupada. Devido aos constantes surtos de malária que atingiam os habitantes da então Freguesia de Ipuca, localizada em Aldeia Velha, distrito do município vizinho de Silva Jardim, o padre capuchinho Francisco Maria Talli, acompanhado dos índios Guarulhos, seguiu para o litoral se estabelecendo próximo à foz do rio São João. É a partir daí que a cidade, localizada na barra de um rio caudaloso e navegável, começa sua ocupação de fato.

No século XIX, a vila de Barra já era bem desenvolvida, com comércio cada vez mais crescente em torno do porto. A Beira-Rio era a principal rua da cidade, conhecida como rua do Comércio. Até que em 1859, após a instalação da Câmara Municipal e da Delegacia Pública, o município de Barra de São João conquistou sua emancipação política e administrativa.

Entre tantas personalidades históricas que passaram por aqui nesse período, citamos o imperador Dom Pedro II, o naturalista Charles Darwin, Luís Carlos Prestes, Getúlio Vargas e Amaral Peixoto. Aqui nasceu o poeta Casimiro de Abreu, que registrou em seus poemas seu amor por sua terra natal. Grandes artistas buscaram inspiração nas belas paisagens da cidade para pintar suas telas. Entre os mais conhecidos está Pancetti, que se hospedava numa pensão na Beira-Rio.

Fechando o circuito, chegamos ao século XX, já na praça do Canhão. Foi nessa época que a sede do município passou para Indaiaçu, que logo teve o nome mudado para Casimiro de Abreu. Com o privilégio de possuir rio e mar, Barra se transformou numa agradável vila de pescadores e casas de veraneio.