Assistência Social implanta o programa Criança Feliz

O programa Criança Feliz será lançado em Casimiro de Abreu nesta sexta-feira, dia 6, pela Secretaria de Assistência Social. Criado pelo governo federal, sua proposta é direcionada para colher resultados no futuro e promete ser um marco na luta contra a desigualdade social no Brasil. Semanalmente, visitadores levam às famílias orientações sobre a melhor maneira de estimular o desenvolvimento dos filhos. O acompanhamento é feito para gestantes e crianças beneficiárias do programa Bolsa Família de até 3 anos, para aquelas de até 6 anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e para as que estão afastadas do convívio familiar por medidas protetivas.

Com foco na primeira infância, o Criança Feliz amplia a rede de atenção e cuidado integral das crianças, como explica a secretária de Assistência Social, Leila Márcia Barbosa.
“Com brincadeiras simples e brinquedos feitos em casa, os visitadores orientam as famílias sobre a melhor forma de estimular os filhos. A atenção nessa fase da vida contribui para o desempenho profissional do indivíduo, facilitando, no futuro, sua entrada no mercado de trabalho. O Criança Feliz tem uma tarefa muito grande pela frente: aperfeiçoar o desenvolvimento infantil, aprimorar o cuidado com a primeira infância e permitir um futuro melhor para nossas crianças, a fim de que sejam melhores jovens e adultos e possam ajudar as famílias entre gerações”, esclareceu Leila Márcia.

Evidências científicas demonstram a importância de investirmos nos primeiros anos de vida para melhorar as condições de aprendizado na escola, o desenvolvimento neuropsicomotor e cognitivo, além de diminuir a propensão à violência na vida adulta e o uso de drogas. O estímulo frequente durante a primeira infância, bem orientado e seguindo os protocolos tecnicamente definidos, promove um desenvolvimento muito maior, especialmente para crianças com deficiência.

O Criança Feliz integra ações nas áreas de Saúde, Assistência Social, Cultura, Educação e garantia de direitos. Foi desenvolvido com base em téc

nicas rigorosas do programa “Cuidar do Desenvolvimento Infantil”, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social, o programa tinha registrado até o mês de julho deste ano de 2018 visitas domiciliares em 2.144 municípios brasileiros. São 311.880 pessoas, entre crianças e gestantes, acompanhadas semanalmente por 13.198 visitadores em todo o País.